sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Curso de Libras Será Realizado na Cidade de Viamão no Rio Grande do Sul.

Linguagem de Sinais: 
A falta de conhecimento em linguagem de sinais não será Mais dificuldade para os prevencionistas, Socorristas, profissionais de Saúde e Leigos.
O planejamento das ações de desenvolvimento realizadas pela Febrabom RS. Sempre foram e sempre tiveram como objetivo, trabalhar sobre as urgentes e pontuais premissas que venham com o intuito de desenvolver e contribuir Junto a sociedade Gaúcha e Brasileira Desta forma, Uma parceria firmada entre a Federação Brasileira de Bombeiros Civis (Febrabom RS) e Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (FENEIS).
Possibilitará Em Março, O primeiro de 03 Módulos do curso voltado a Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS).Reconhecida Pela Lei Federal LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002.
Com Inicio Previsto para o Dia 13 de março o modulo Básico Que será ministrado Na Cidade de Viamão. local Onde se Situa, a Base de Desenvolvimento da Febrabom Núcleo RS.
As aulas Semanais de Darão de Modo Semanal com carga Horária total correspondente ao Primeiro módulo de 40 Horas.
As Inscrições Já Estão abertas através do Email: febrabomrs@gmail.com
Whatsapp: (51)98918-6550 Fixo (51) 3046-2741
Investimento: Público em Geral R$ 220 Reais 
Associados Febrabom R$ 100 Reais
Realmente Uma ótima Oportunidade De Qualificação, Crescimento e Valorização Profissional.
Viamão será palco desse grande acontecimento.
Não Fique de Fora!
Breve histórico da língua brasileira de sinais
O antigo Instituto dos Surdos, hoje, Instituto Nacional da Educação de Surdos (INES) foi a primeira escola para surdos no Brasil, fundada em 1857 e teve como primeira denominação o nome Collégio Nacional para Surdos (de ambos os sexos). Foi a partir deste, com a miscigenação da antiga língua de sinais brasileira com a língua de sinais francesa, que, definitivamente, nasceu a língua brasileira de sinais (Libras)
Por ser a única instituição para surdos no país e no continente, o INES foi muito procurado por brasileiros e estrangeiros, virando referencia na educação, socialização e profissionalização de surdos.
No entanto, em 1880, houve em Milão um Congresso que proibiu a língua de sinais (gestual), achou-se por melhor adotar a oralização julgando que esta seria de melhor valia para a educação e o aprendizado dos surdos. Muitos surdos e professores criticaram tal ação, pois legitimavam a comunicação sinalizada.
Através de diversos movimentos e muita pesquisa na área, foi legitimada como Língua a comunicação gestual entre surdos. Foi apenas no fim do século XX que os movimentos se intensificaram querendo a oficialização da língua brasileira de sinais (Libras), em 1993 o projeto de lei entrou na longa batalha para a regulamentação da Libras no país.
Apenas no ano de 2002 a língua brasileira de sinais foi oficialmente reconhecida e aceita como segunda língua oficial brasileira, através da Lei 10.436, de 24 de abril de 2002.
Mesmo com um andamento lento o progresso para a cultura Surda acontece. O século XXI começou e fez a Libras realmente avançar.
Em 2005, através do decreto 5.626 a língua brasileira de sinais foi regulamentada como disciplina curricular. Já em 2007, a estrutura de língua foi aplicada a Libras, já que ela é uma língua natural e possui complexidades próprias e comunicação eficaz. Em 2010 foi regulamentada a profissão de Tradutor/ Interprete de Libras através da Lei 12.319 de 1° de Setembro de 2010, simbolizando mais uma grande conquista.
É dever do Poder Público garantir acesso e educação para surdos nas escolas regulares de ensino, garantindo seu aprendizado e progressão educacional.